Técnicas básicas de Exame Físico

Tempo de leitura: 6 minutos

Antes de aprendermos a fazer o exame físico, precisamos conhecer as técnicas básicas para sua realização, que compreende:

  • Inspeção;
  • Palpação;
  • Percussão e;
  • Ausculta.

Para a realização de um bom exame físico, precisamos aguçar os nossos sentidos, sobretudo a visão, o tato, a audição e o olfato, pois ajudam a obter dados que subsidiam o raciocínio clínico dos enfermeiros.  O exame físico deve ser realizado com o paciente despido, sempre expondo as partes no momento que será examinado. Atenção para preservação de sua intimidade, colocando biombos, cobrindo o paciente com lençol, entre outros.

Técnicas Básicas para o Exame Físico:

1) Inspeção: é o processo de observação do paciente. Devemos neste momento inspecionar nos segmentos corporais, a presença de dismorfias, distúrbios no desenvolvimento, lesões cutâneas, secreções e presença de cateteres e tubos ou outros dispositivos. É importante verificar o modo de andar, a postura, o contato visual e a forma de comunicação verbal e corporal. Esses dados fornecem “pistas” sobre o estado emocional e mental do paciente.

Tipos de inspeção:

  • Estática: com o paciente parado, observa-se os contornos anatômicos;
  • Dinâmica: pede-se para que o paciente faça alguns movimentos, observando com atenção e foco no segmento.

O paciente deve ser inspecionado por inteiro. Recomenda-se o uso de luz natural e caso seja artificial, a branca é a mais recomendada. Para a inspeção de cavidades, utiliza-se a lanterna clínica.

2) Palpação: é uma técnica utilizada para obtenção de dados por meio do tato (parte mais superficial do corpo) e da pressão (parte mais profunda do corpo). A palpação permite a identificação de modificações de textura, espessura, consistência, sensibilidade, volume e dureza. Permite a percepção de frêmito, flutuação, elasticidade e edema.

Tipos de palpação:

  • Superficial: pressão em profundidade de 1 cm;
  • Profunda: pressão em profundidade de 4 cm.

Variações da palpação:

  • Palpação com a mão espalmada, usando-se toda a palma de uma de ambas as mãos;
  • Palpação com uma das mãos sobrepondo-se à outra;
  • Palpação com a mão espalmada, usando-se apenas as polpas digitais e a parte ventral dos dedos;
  • Palpação usando-se o polegar e o indicador formando uma pinça;
  • Palpação com o dorso dos dedos e das mãos, para avaliar temperatura;
  • Dígito-pressão: realizada com a polpa do polegar e do indicador, consiste na compressão de uma área com o objetivo de pesquisar dor, detectar edema e/ou avaliar a circulação cutânea;
  • Puntipressão: utiliza-se de um objeto pontiagudo, não cortante em um ponto do corpo para avaliar a sensibilidade dolorosa;
  • Fricção com algodão: com uma mecha, roçar de leve a pele, procurando verificar a sensibilidade tátil.

3) Percussão: é a aplicação de pequenos golpes em determinada superfície do organismo, que emite vibrações específicas de acordo com a estrutura anatômica percutida, quanto à intensidade, tonalidade e timbre.

Tipos de percussão mais utilizadas na prática clínica do enfermeiro:

– Percussão direta: golpeamento diretamente com as pontas dos dedos a região-alvo. Os dedos devem estar fletidos, imitando a forma de um martelo e os movimentos de golpear são feitos pela articulação do punho.

– Percussão digito-digital: mais utilizada no nosso cotidiano. Trata-se do golpeamento com o dedo médio ou indicador da mão dominante, que encontra-se espalmada e apoiada na região de interesse. A mão dominante deve ficar em posição confortável e apenas o dedo que irá percutir deverá ter posição de martelo. A movimentação da mão deverá ocorrer apenas com a articulação do punho. O cotovelo deve permanecer fixo e fletido a 90º e com o braço em semiabdução.

Possíveis sons:

  • Maciço: som que transmite a sensação de dureza e resistência, em todas as regiões desprovidas de ar, como osso e fígado;
  • Submaciço: é uma variação do maciço, é a presença de ar em pequena quantidade que lhe confere essa característica peculiar;
  • Timpânico: obtido em regiões que contêm ar, recobertas por membrana flexível, como o estômago. A sensação obtida é de elasticidade;
  • Hipertimpânico: obtido em regiões que contêm ar em grande quantidade, por exemplo, no abdome em caso de acúmulo de gases;
  • Claro pulmonar: som obtido quando se percute uma área sobre os pulmões, quando estão normais, com presença de ar dentro dos alvéolos.

Atenção:

  1. Evite dar muitos golpes seguidos para confirmar o som, pois podem interromper a onda vibratória e alterar o som emitido;
  2. Em órgãos simétricos como os pulmões, é preciso realizar a percussão comparada.
  • Punho-percussão: com a mão fechada, golpeia-se com a borda cubital (utilizada para verificar a sensação dolorosa nos rins);
  • Percussão com a borda das mãos: os dedos ficam estendidos e unidos, golpeia-se a região desejada com a borda ulnar (utilizada para verificar a sensação dolorosa nos rins);
  • Percussão por piparote: utilizada para pesquisa de ascite. Com uma das mãos, o examinador golpeia um lado abdome, enquanto a outra mão, na região contralateral, capta ondas de líquidos que se chocam com a parede abdominal.

4) Ausculta: procedimento que possibilita ouvir sons produzidos pelo corpo, que são inaudíveis sem o uso de instrumentos, por isso utilizamos o estetoscópio para examinarmos os pulmões, coração, artérias e intestino.

Atenção:

  • Para realizar a ausculta, faz-se necessário um ambiente sem ruídos externos
  • O estetoscópio deve ser colocado sobre a pele nua;
  • Durante a ausculta devem ser observadas as características dos sons, como: intensidade, tom, duração e qualidade.

Considerações finais:

Quando o enfermeiro consegue realizar uma boa avaliação clínica, ele consegue reconhecer os diagnósticos de enfermagem, que subsidiam as condutas de enfermagem e possibilita um trabalho interdependente, associando os cuidados com a equipe multidisciplinar.

Conseguir associar os dados clínicos e ainda entender os sinais emitidos pelo paciente, como o significado do adoecer, seus pontos fortes e fracos é uma arte, que propicia um cuidado digno e profissionais mais satisfeitos com o resultado do trabalho.

Cuidados para realizar o exame físicomãos higienizadas, aquecidas e unhas cortadas, instrumentos com a devida desinfecção


Referências Bibliográficas:

  • BARROS, ALBL; Michel JLM; Moreira RSLM; Lopes JL. Avaliação clínica e técnicas instrumentais para o exame físico. In: BARROS, ALBL: Anamnese e exame físico: avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto. Porto Alegre: Artmed, 2016. p. 49-65.

Comentários

comentários