Os Cuidados de Enfermagem em Especial ao Diabetes Infantil

Tempo de leitura: 7 minutos

O Diabetes Mellitus (DM) é caracterizado pela elevação da glicose no sangue. Os tipos mais comuns são: DM tipo 1 (DM1) e DM tipo 2 (DM2). O DM1 é mais comum em crianças e adolescentes, sendo considerada como diabetes infantil. O DM2 ocorre mais frequentemente em adultos, porém a DM2 tem crescido de forma preocupante entre crianças e adolescentes.

O DM1 é uma doença crônica e autoimune na qual ocorre o processo de destruição das células beta pancreáticas (produtoras da insulina), levando à deficiência total ou parcial da insulina. Na fisiopatologia o DM1 estão envolvidos fatores genéticos e ambientais. Quanto aos fatores genéticos, trata-se de uma condição poligênica, visto que os principais genes estão no sistema do antígeno leucocitário humano (HLA) classe II. Em relação aos fatores ambientais, se a pessoa é predisposta geneticamente à patologia, as infecções virais e fatores nutricionais contribuem para o desenvolvimento do DM1.

O DM2 é uma doença crônica que afeta a forma como o corpo metaboliza a glicose. As pessoas com DM2 produzem insulina, porém o corpo pode criar uma resistência a sua ação, ou pode ocorrer devido à produção insuficiente para o organismo. É mais prevalente em adultos, porém crianças e adolescentes estão sendo diagnosticados com essa patologia devido ao importante papel que a obesidade possui em sua fisiopatogênese.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), na década de 90, uma em cada 15 mil crianças tinham a doença, já em 2015 essa proporção mudou para uma a cada 8 mil e a taxa de crescimento é de 3% ao ano. As crianças são mais propensas a ter cetoacidose (quando os níveis de açúcar no sangue estão muito altos – e que abordaremos em uma postagem exclusiva), podendo causar coma ou morte.

Sobre o diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito com os mesmos critérios de outras faixas etárias, aceitos pela OMS. Exame laboratorial para análise da glicemia e presença ou ausência de sintomas. O exame de hemoglobina glicosilada deve ser feito a cada 3-4 meses (Figura 1).

Figura 1. Tabela de controle glicêmico.

Sobre os sintomas

Os sintomas mais comuns são:

- Polifagia.

- Poliúria.

- Polidipsia.

- Perda de peso.

- Oscilação na glicemia.

Sobre o tratamento

A principal forma de tratamento é a administração da insulina para prevenção de descompensações/complicações agudas. Para o controle glicêmico, é importante que seja verificada a glicemia capilar e o dosagem da hemoglobina glicada (HbA1c) em todas as faixas etárias. Vale ressaltar a importância do acompanhamento ao tratamento desde o início do diagnóstico.

O controle na alimentação auxilia no controle glicêmico, não comprometendo o crescimento necessário de toda criança, considerando que a alimentação saudável e balanceada e a atividade física também ajudam no controle do peso, assim não havendo uma possível obesidade.

Atuação da Enfermagem

A enfermagem tem o papel fundamental no manejo desses pacientes, pois o enfermeiro é essencialmente um educador. Orientar a família sobre a doença, tratamento, prevenção e esclarecer dúvidas durante todo o processo é a base da sua intervenção.

A consulta de enfermagem:

- Exame físico completo.

- Avaliação do local da aplicação da insulina.

- Avaliação da saúde dentária.

- Avaliação do crescimento da criança.

- Investigação de alterações visuais.

- Frequências cardíaca e respiratória.

- Ausculta pulmonar.

Histórico de Enfermagem:

- Identificação da pessoa – dados socioeconômicos, moradia, escolaridade, lazer.

- Antecedentes familiares e pessoais – diabetes, hipertensão, doença renal, doença cardíaca e diabetes gestacional.

- Identificação dos fatores de risco.

- Hábitos alimentares.

- Medicamentos utilizados.

Resultados de Enfermagem:

- Melhora da qualidade de vida.

- Alívio dos sintomas.

- Prevenção de complicações.

- Redução da mortalidade.

Cuidados de enfermagem:

- Orientar sobre a alimentação saudável.

- Orientar sobre os benefícios da atividade física.

- Orientar sobre a técnica de aplicação da insulina e sobre o rodízio de sítio de aplicação para prevenção de lipodistrofia.

Existe o Comitê de Prática Profissional (PPC) da American Diabetes Assicuation (ADA), que é responsável pelo Padrões de Assistência Médica em Diabetes é citado como Padrões de Cuidados. O PPC é um centro multidisciplinar de médicos, educadores em diabetes entre outros incluindo epidemiologia, endocrinologia de adultos e crianças, saúde pública, hipertensão, pesquisa lipídica e cuidados durante a gravidez. É considerado referência em clínica prática e pesquisa, mas o principal objetivo é rever e atualizar os Padrões de Cuidados.

O diabetes infantil é uma grande preocupação mundial que requer cuidados contínuos, desde o início do diagnóstico com orientações, tratamento, cuidados por parte da criança e principalmente da família no intuito de prevenir consequências graves como a cetoacidose. O controle glicêmico é primordial por meio da administração da insulina, alimentação balanceada e acompanhamento médico. É importante frisar que o acompanhamento multiprofissional com enfermeiros, nutricionistas, educadores físicos e psicólogos são de extrema relevância para obtenção de melhores desfechos do paciente.

 

REFERÊNCIAS

ABDR. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes 2015 – 2016. DIRETRIZES SBD | 2015-2016. Disponível em: < http://www.diabetes.org.br/profissionais/images/docs/DIRETRIZES-SBD-2015-2016.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2018.
CALLIARI, L. E. P.; MONTE, O. Abordagem do Diabetes Melito na Primeira Infância. Arq Bras Endrocrinol Metab , [S.l.], v. 52, n. 2, p. 243-249, fev. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/abem/v52n2/11.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2018.
Coren GO. Protocolo de Enfermagem na Atenção Primária à Saúde no Estado de Goiás. 2ª edição. Goiânia 2014. Disponível em: < http://www.corengo.org.br/wp-content/uploads/2015/02/Protocolo-de-Enfermagem-2015.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2018.
FILHO, C. F. C.; LERARIO, D. G. Diabetes na infância. Pediatria Moderna , [S.l.], v. 51, n. 1, p. 4-16, jan. 2015. Disponível em: <http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_materia=6025>. Acesso em: 25 jan. 2018.
MOREIRA, M. S. F. et al. DOENÇAS ASSOCIADAS À OBESIDADE INFANTIL. Revista Odontológica de Araçatuba , [S.l.], v. 35, n. 1, p. 60-66, jan. 2015. Disponível em: <http://apcdaracatuba.com.br/revista/2014/10/trabalho11.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2018.
PEREIRA, A. L. F. Diabetes Mellitus em crianças com menos de cinco anos . 2011. 26 p. Monografia (Mestrado Integrado em Medicina)- Faculdade de Medicina Universidade do Porto, [S.l.], 2011. Disponível em: <https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/61087/2/Tese%20%20verso%20final.pdf>. Acesso em: Acesso em: 25 jan. 2018.
QUEIROZ, M. V. O. et al. Sensibilizando a criança com diabetes para o cuidado de si: Contribuição à prática educativa. Esc. Anna Nery , Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, abr. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452016000200337>. Acesso em: 25 jan. 2018.
SPARAPANI, V. C. et al. A criança com Diabetes Mellitus Tipo 1 e seus amigos: a influência dessa interação no manejo da doença. Rev. Latino-Am. Enfermagem , [S.l.], v. 20, n. 1, p. 01-09, jun. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n1/pt_16.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2018.
SALES, C. A. et al. O cuidar de uma criança com diabetes mellitus tipo 1: concepções dos cuidadores informais . Rev. Eletr. Enf. , [S.l.], v. 11, n. 3, p. 562-572, jan. 2009. Disponível em: <https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v11/n3/pdf/v11n3a13.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2018.

Comentários

comentários