Orientações de Enfermagem ao Paciente com Paralisia de Bell

Tempo de leitura: 5 minutos

A Paralisia de Bell, também conhecida como paralisia facial periférica idiopática, ocorre devido à inflamação unilateral do VII nervo craniano, causando fraqueza ou paralisia dos músculos faciais do lado afetado. A causa ainda é desconhecida (por isso considerada idiopática), mas as possíveis etiologias podem estar relacionadas à isquemia vascular, doenças virais como herpes simples e herpes-zóster e doenças autoimunes.

A maior parte dos pacientes se recupera totalmente e a paralisia raramente reaparece. Por ano estima-se que a incidência seja de 20 a 30 para cada 100.000 pessoas. Existe um pico maior entre 20 e 40 anos de idade, mas é rara antes dos 10 anos de idade.

Em sua fisiopatologia, a paralisia de Bell pode representar um tipo de paralisia por pressão, na qual o nervo inflamado e edemaciado torna-se comprimido, assim resultando em necrose isquêmica, afetando os componentes motor e sensitivo do nervo facial.

Um dos principais sintomas é a perda súbita dos movimentos da face, em média 50% dos pacientes queixam-se de dor retroauricular durante alguns dias e parte desses pacientes relatam que a dor aparece com dois a três dias antes da paralisia. Nos casos de paralisia facial aguda, as fibras pré-ganglionares parassimpáticas que se projetavam para o gânglio submandibular podem diminuir e se conectar ao nervo petroso maior superficial, na qual essa diminuição pode causar um fenômeno de lacrimejamento após um estímulo salivatório, também conhecido como síndrome das lágrimas de crocodilo e pode ser observado em até 70% dos pacientes.

Um diagnóstico diferencial da paralisia de Bell é a paralisia facial central, a qual é decorrente de lesão acima do núcleo do nervo facial, que fica localizado na ponte, causando paralisia da extremidade inferior da face contra-lateral à lesão, visto que o núcleo do nervo facial que inerva a hemiface inferior recebe fibras corticonucleares do hemisfério contralateral.

Para a avaliação do grau de disfunção motora facial, é usada a escala de House-Brackmann (Figura 1).

Figura 1. Escala de House-Brackmann.

O paciente não tratado pode ter uma recuperação completa em torno de 70% dos casos, sendo que em até 30% pode apresentar apenas recuperação incompleta, adquirindo dor na face, desfiguração facial e distúrbios psicológicos.

Diagnóstico

- Súbita paralisia unilateral do músculo facial, incluindo a fronte e a parte inferior da face.

- Diminuição do lacrimejamento e incapacidade de fechar de forma correta as pálpebras.

- É provável distúrbio do paladar.

- Dores na face, atrás da orelha e no olho.

- Dificuldade na fala, salivação e na deglutição.

Figura 2. Sintomas.

O manejo clínico tem por objetivo manter o tônus muscular da face, podendo iniciar a terapia com corticosteroides (prednisona), reduzindo a inflamação e o edema, o que diminui a compressão vascular e possibilita a restauração da circulação sanguínea para o nervo. Administrando precocemente os corticosteroides, tende-se a diminuir a gravidade da doença e alívio da dor. A dor também pode ser controlada com aplicação de calor no lado acometido da face e com analgésicos. Podem-se incluir modalidades como estimulação elétrica para evitar a atrofia muscular ou a exploração cirúrgica no nervo facial. A cirurgia costuma ser realizada quando há suspeita de tumor para descompressão cirúrgica do nervo facial e para reabilitação cirúrgica da face.

A enfermagem se faz necessária para tranquilizar o paciente informando-o que a recuperação espontânea é observada em 3 a 5 semanas em sua maioria. No geral, devemos orientar sobre a paralisia de Bell e o autocuidado domiciliar.

Orientar o paciente sobre o cuidado com o olho

- Cobrir o olho com tapa-olho à noite.

- Aplicar gotas oculares hidratantes durante o dia e pomada ocular ao deitar para manter as pálpebras fechadas durante o sono.

- Fechar manualmente a pálpebra paralisada antes de dormir.

- Usar óculos de sol para diminuir a evaporação normal do olho.

Orientar o paciente sobre a manutenção do tônus muscular da face

- Demonstrar ao paciente como fazer a massagem da face, que é indicada várias vezes ao dia, realizando movimentos ascendentes, isso quando o paciente tiver condições de tolerar a massagem.

- Demonstrar os exercícios faciais, como enrugar a fronte, encher as bochechas e assoviar, em esforço de evitar a atrofia muscular.

- Incentivar o paciente a praticar os exercícios com o auxílio de um espelho.

- Orientar a evitar expor a face ao frio e às correntes de ar.

REFERÊNCIAS

CORREIA, Tiago et al. Paralisia facial periférica diagnóstico, tratamento e orientação. Nascer e Crescer , [S.l.], v. 19, n. 3, p. 155-160, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/pdf/nas/v19n3/v19n3a05.pdf>. Acesso em: 02 fev. 2018.
FALAVIGNA, Asdrubal et al. Paralisia de Bell: fisiopatologia e tratamento. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 18, n. 4, p. 177-183, out. 2008. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/scientiamedica/article/download/.../3517>. Acesso em: 02 fev. 2018.
GARANHANI, Márcia Regina et al. Fisioterapia na paralisia facial periférica: estudo retrospectivo. Rev. Bras. Otorrinolaringologia , São Paulo, v. 73, n. 1, jan. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-72992007000100018>. Acesso em: 03 fev. 2018.
SILVA, Ana Isabel; MAGALHÃES, Tiago. Tratamento farmacológico da Paralisia Facial Periférica Idiopática: qual a evidência?. Rev. Port. Med. Geral Fam , [S.l.], v. 29,p. 308-314, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/pdf/rpmgf/v29n5/v29n5a05.pdf>. Acesso em: 03 fev. 2018.
VALENÇA, Marcelo Moraes; VALENÇA, Luciana Patrízia A. de A.; LIMA, Maria Carolina M. Paralisia Facial Periférica Idiopática de Bell a propósito de 180 pacientes. Arq. Neuro-Psiquiatria , São Paulo, v. 59, n. 3, set. 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-282X2001000500016>. Acesso em: 03 fev. 2018.

Comentários

comentários