O Uso da Papoterapia na Endoscopia Digestiva nos Pacientes em Pré-Cirurgia Bariátrica

Tempo de leitura: 8 minutos

*Relato da enfermeira de um serviço do Rio de Janeiro

A cirurgia bariátrica – também conhecida como cirurgia da obesidade, ou, popularmente, redução de estômago – reúne técnicas com respaldo científico destinadas ao tratamento da obesidade e das doenças associadas ao excesso de gordura corporal ou agravadas por ele. O conceito metabólico foi incorporado há cerca de seis anos pela importância que a cirurgia adquiriu no tratamento de doenças causadas, agravadas ou cujo tratamento e controle é dificultado pelo excesso de peso ou facilitado pela perda de peso.

Os pacientes obesos apresentam risco aumentado de doenças que determinam aumento da mortalidade, tais como:

  • Hipertensão arterial
  • Diabetes
  • Doenças pulmonares
  • Hipercolesterolemia
  • Doenças cardíacas
  • Neoplasias
  • Artrites
  • Apneia do sono
  • Problemas psicológicos

A endoscopia é um exame que faz parte da relação de exames pré-cirúrgicos. A maior parte das cirurgias propostas incluem a diminuição e até mesmo o isolamento de parte do estômago do trânsito alimentar. Logo, qualquer anormalidade deve ser tratada antes da cirurgia.

Tipos de cirurgias

1)  Bypass Gástrico Fobi-Capella

Técnica de grampeamento de parte do estômago e de um desvio do intestino inicial. O grampeamento reduz o espaço para o alimento e o desvio do intestino inicial promove o aumento de hormônios que dão saciedade e diminuem a fome. O emagrecimento é promovido pela menor ingestão de alimentos e aumento da saciedade. O Bypass Gástrico também auxilia no controle de diabetes e outras doenças como a hipertensão arterial.

2) Sleeve gástrico

Na gastrectomia vertical, o estômago do paciente é grampeado em forma de tubo que vai do esôfago até o duodeno, preservando-se o Piloro. Assim se reduz o estômago em até 80% do seu tamanho. A gastrectomia vertical ou sleeve gástrico é um procedimento realizado normalmente por videolaparoscopia (câmera), é irreversível e apresenta um índice de complicações reduzidas quando realizada por uma equipe experiente e em um hospital com recursos adequados.

3) Duodenal Switch (com corte)

É a associação entre gastrectomia vertical e desvio intestinal. Nessa cirurgia, 85% do estômago são retirados, porém a anatomia básica do órgão e sua fisiologia de esvaziamento são mantidas. O desvio intestinal reduz a absorção dos nutrientes, levando ao emagrecimento.

4) Banda Gástrica Ajustável (sem corte)

A banda gástrica ajustável (Lap-Band®) é um dispositivo de silicone ajustável colocado na parte superior do estômago, por cirurgia vídeo-laparoscópica, destinado a desacelerar a digestão e estimular a saciedade precoce e prolongada, facilitando a reeducação alimentar. Por não haver cortes ou grampeamentos do estômago, a banda gástrica ajustável é um tratamento reversível.

Endoscopia Digestiva Alta

Os exames endoscópicos em pacientes obesos podem ser complicados e, desta forma, princípios básicos devem ser observados para garantir um exame eficiente e seguro. A sala da endoscopia deve estar bem aparelhada, com medicações adequadas para a sedação, além de endoscopista e equipe de enfermagem treinados para atender adequadamente esse paciente. 

Dificuldade de Marcação

  • A maior dificuldade para os pacientes marcarem esse exame na rede privada do Rio de Janeiro é que a maca dos serviços geralmente não suporta seu peso.
  • A maioria dos serviços não realizam o procedimento com sedação, deixando o paciente muito apreensivo, principalmente os que tem receio do exame.
  • A falta de uma equipe que os receba com tranquilidade, deixando-os mais corajosos para o exame.
  • Realizar o procedimento em serviço hospitalar acarreta dificuldades, como: exigências de exames pré-endoscopia e demora para marcação, pois internar o paciente para endoscopia digestiva aumenta consideravelmente o custo do procedimento o que acarreta glosas dos planos de saúde e aumenta o custo para o paciente que precisa pagar o anestesista (podendo ser ressarcido pelo plano ou não).

Papoterapia no Atendimento da Enfermagem

Em todas as definições que li sobre papoterapia, percebi que existe um consenso: trata-se de em um grupo de pessoas conversando sobre determinados assuntos.

Na endoscopia, o uso da papoterapia consiste na minha atuação, como enfermeira, auxiliando o médico endoscopista e o paciente. Gasto cerca de 5 minutos antes da realização do exame. Administro muito pouco sedativo, dependendo do peso do paciente, e vou conversando com ele sobre tudo que vai acontecer, falo principalmente que o exame só será possível com sua ajuda e que eu estarei ao seu lado explicando todas as etapas.

Hoje a cirurgia bariátrica é uma realidade dos serviços de endoscopia do Brasil. Na clínica que trabalho, fazemos por semana cerca de quatro a cinco pacientes pré-bariátricos. Sempre que recebo um paciente obeso já sei que vou colocar minha papoterapia em ação (é assim que falo aos colegas ou quando ensino os técnicos de enfermagem do serviço em que atuo).

A papoterapia foi o mecanismo que me fez mudar o atendimento ao paciente obeso no pré-exame de endoscopia. Não é de hoje que todos que vão fazer endoscopia sintam medo, nervosismo ou até mesmo pânico.  Sempre pensei: como posso fazer para melhorar isso, já que trabalho na endoscopia?

O paciente obeso é diferenciado, pois ele não poderá ser sedado como outro paciente. Pelo contrário, na maioria dos serviços não fazem com sedação e aí está mais um diferencial quando utilizamos de algum artifício que burle o medo para a aceitação do paciente ao exame com uso de pouca sedação ou nenhuma sedação. No serviço em que atuo, uso a papoterapia como ferramenta de tranquilidade e de aproximação com o paciente. O uso dessa ferramenta transformou o meu entendimento para melhor ajudar o paciente. Assim, consegui tenho obtido êxito na aceitação e cooperação na hora do exame.

 Diálogo da Enfermeira (alguns exemplos)

- Vou puncionar uma veia e administrar bem pouco sedativo, não posso fazer mais, devido a sua dificuldade respiratória.

- Vou colocar um aparelho no seu dedo e te acompanhar! Sempre que eu pedir para respirar fundo, é para te ajudar, ok?

- Preciso que se concentre na respiração do nariz e deixe a saliva escorrer no canto.

- Em nenhum momento o exame dói ou machuca.

- A parte mais chata do exame é a passagem do aparelho pela boca, porque vocês ficam com muito medo.

- É só lembrar que o aparelho faz o mesmo caminho da comida, não sufoca e nem fica com falta de ar.

- Depois que o parelho passou, em cerca de 3 minutos o exame acaba.

- Feche os olhos e concentre-se em coisas boas e que sua cirurgia será um sucesso, para que tudo dê certo e continue respirando pelo nariz.

- Qualquer dificuldade pode respirar pela boca, só não engole a saliva para não engasgar, ok?

- Pronto está de parabéns terminou o exame e você nos ajudou muito!

Descrevi os principais tópicos do diálogo com nossos pacientes. Entretanto, não esqueça que cada paciente é único e alguns tem pânico, outros apenas ficam apreensivos e outros muito tranquilos. Use essa ferramenta do seu jeito e que o propósito do uso de qualquer ferramenta é a qualidade do seu atendimento como enfermeira e que o paciente faça o exame tranquilo.

 

Referências

Rede Humaniza Sus Papoterapia encontrado na página http://redehumanizasus.net/66142-papoterapia/ Visitado no dia 21/04/2018
Oficina de papoterapia – encontrado na página - http://www.reab.me/sucesso-da-papoterapia-em-oficinas-geronto-geriatricas-de-arteterapia/ visitado no dia 21/04/2018
Cirurgia Bariátrica – encontrada na página - https://www.endodiagnostic.com.br/cirurgia-bariatrica/ visitada no dia 01/04/2018.
Sociedade Brasileira de cirurgia Bariátrica e metabólica – encontrada na página https://www.sbcbm.org.br/numero-de-cirurgias-bariatricas-no-brasil-cresce-75-em-2016/ visitada no dia 21/04/2018.

Comentários

comentários