Caíque Jordan

Enfermeiro, licenciado em Enfermagem e mestrando em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Sergipe.
Especialista em Saúde da Família pela Universidade de Brasília.
Enfermeiro do Instituto Federal de Sergipe.
Professor de pós-graduações e cursos preparatórios para concursos.
Apaixonado por tecnologia da informação e comunicação na educação de enfermagem e defensor da prática de enfermagem humanizada e baseada nas melhores evidências científicas.

Distúrbios Hipertensivos na Gestação: Parte II

Distúrbios Hipertensivos na Gestação: Parte II

14 minutos Exames complementares e diagnósticos diferenciais O diagnóstico da pré-eclâmpsia deve ser feito o mais precocemente possível. Desde o pré-natal, os profissionais de saúde devem levantar um histórico de saúde abrangente e, por meio da anamnese e exame físico, avaliar quais os fatores de risco a gestante apresenta. Para se afirmar que uma grávida possui hipertensão arterial, deve-se aferir a PA após certo tempo de repouso, com a paciente sentada, utilizando manguito de tamanho adequado, mantendo o braço à altura do coração. Sendo Continue lendo

Distúrbios Hipertensivos na Gestação: Parte I

Distúrbios Hipertensivos na Gestação: Parte I

18 minutos Nesse post vamos abordar um tema extremamente importante para a assistência de enfermagem obstétrica. A hipertensão é a situação clínica mais comumente encontrada na gravidez, complicando cerca de 5% das gestações, configurando-se uma causa significativa de morbimortalidade materna e fetal/neonatal. Algumas mulheres antes normotensas podem desenvolver hipertensão na gravidez ou aquelas que são hipertensas podem ter sua situação agravada. Anteriormente, os distúrbios hipertensivos ocorridos na gestação possuíam uma nomenclatura genérica (hipertensão induzida pela gravidez – HIG – ou doença hipertensiva específica da Continue lendo

Esquistossomose: Precisamos nos preocupar?

Esquistossomose: Precisamos nos preocupar?

10 minutos O enfermeiro tem um papel fundamental na assistência à saúde desde a promoção da saúde à prevenção de agravos e reabilitação. Especialmente na Atenção Básica, o enfermeiro possui uma posição privilegiada para educação em saúde individual ou coletiva. Dessa forma, conhecer as nuances de doenças que possuem forte relação com determinantes sociais da saúde é fundamental. No post de hoje falaremos sobre a esquistossomose. Esquistossomoses, esquistossomíases, também conhecidas popularmente de xistosa, xistossomose, bilharziose, moléstia de Pirajá da Silva, doença dos caramujos ou Continue lendo

Mielorradiculopatia Esquistossomótica: Você Já Ouviu Falar?

Mielorradiculopatia Esquistossomótica: Você Já Ouviu Falar?

11 minutos Nesse post aprofundaremos nosso conhecimento sobre a esquistossomose, pois abordaremos uma de suas raras complicações: a neuroesquistossomose, mais especificamente a mielorradiculopatia esquistossomótica (MRE). É considerada uma forma rara de apresentação da esquistossomose, de modo que o comprometimento do sistema nervoso central (SNC) pode ocorrer durante o parasitismo por quaisquer das três espécies de Schistosoma encontradas no homem. Manifesta-se, principalmente, como quadro encefálico, meníngeo, mielítico (cone e epicone medular na maioria das vezes), pseudotumoral granulomatoso e mielomeningorradiculítico. Estudos demonstram que o acometimento do Continue lendo

Avaliação da dor em pacientes críticos: é possível?

Avaliação da dor em pacientes críticos: é possível?

6 minutos Durante a nossa formação aprendemos que a dor é o quinto sinal vital e que deve ser mensurada junto ao pulso, frequência respiratória, temperatura e pressão arterial. Mas quantos de nós tivemos a oportunidade de conhecer como avaliar a dor em pacientes criticamente enfermos? Isso mesmo! Pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTI) não estão livres de viver experiências dolorosas. Entretanto, devido à gravidade de seus quadros clínicos, muitos profissionais acabam relegando a dor para segundo plano. O enfermeiro e sua Continue lendo