Já foi vítima de assédio moral na enfermagem? Saiba o que fazer nessa situação.

Já foi vítima de assédio moral na enfermagem? Saiba o que fazer nessa situação.

8 minutos O que é assédio moral? É a exposição do indivíduo a situações humilhantes e constrangedoras, repetitivas e prolongadas, durante a jornada de trabalho e no exercício de funções. Caracterizado por ação ou omissão, por dolo ou culpa, causados pelo empregador ou por seus prepostos (representantes da empresa), ofendendo a dignidade, personalidade e integridade do trabalhador. Definições de assediar: – Insistir com pedidos ou propostas, importunar alguém para obter alguma coisa, insistência na tentativa de possuir algo; – Cercar, construir situações para sujeitar Continue lendo

Exame físico geral

Exame físico geral

9 minutos O exame físico permite ao Enfermeiro conhecer o paciente diariamente, possibilitando a identificação de informações básicas sobre as respostas humanas e capacidades funcionais do paciente frente à situação apresentada. Esses dados subsidiam a identificação dos diagnósticos e intervenções de enfermagem. Além disso, o exame físico permite avaliar a evolução do paciente e a individualização da assistência de enfermagem. Vale ressaltar que, para realizar o exame físico é necessário conhecimento prévio de anatomia, fisiologia, fisiopatologia, passos propedêuticos, bom relacionamento interpessoal entre enfermeiro-paciente e outras ciências. Continue lendo

Técnicas básicas de Exame Físico

Técnicas básicas de Exame Físico

6 minutos Antes de aprendermos a fazer o exame físico, precisamos conhecer as técnicas básicas para sua realização, que compreende: Inspeção; Palpação; Percussão e; Ausculta. Para a realização de um bom exame físico, precisamos aguçar os nossos sentidos, sobretudo a visão, o tato, a audição e o olfato, pois ajudam a obter dados que subsidiam o raciocínio clínico dos enfermeiros.  O exame físico deve ser realizado com o paciente despido, sempre expondo as partes no momento que será examinado. Atenção para preservação de sua Continue lendo

Reanimação neonatal em sala de parto: assistência ao RN ⩾ 34 semanas

Reanimação neonatal em sala de parto: assistência ao RN ⩾ 34 semanas

18 minutos Confira as principais recomendações para Reanimação dos Recém-nascidos ⩾ 34 semanas em sala de parto, de acordo com as Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria. Você sabia que a Parada Cardiorrespiratória em neonatos é predominantemente causada por asfixia? Sendo grande parte decorrentes de síndrome de aspiração de mecônio? A presença de líquido amniótico meconial pode significar sofrimento fetal e risco aumentado de necessitar de reanimação. É por isso que a sequência de atendimento à PCR desse grupo é diferente do adulto, Continue lendo

O Papel da Enfermagem na Avaliação e no Tratamento de Feridas Crônicas.

O Papel da Enfermagem na Avaliação e no Tratamento de Feridas Crônicas.

19 minutos A prática no cuidado ao paciente portador de ferida crônica é uma especialidade dentro da enfermagem, reconhecida pela Sociedade Brasileira de Enfermagem em Dermatologia (SOBEND) e Associação Brasileira de Estomaterapia (SOBEST). A resolução do COFEN nº 0501/2015  regulamenta a competência da equipe de enfermagem no cuidado as feridas. De acordo com essa resolução cabe ao enfermeiro capacitado a avaliação e prescrição de coberturas para tratamento das feridas crônicas. A equipe de enfermagem desempenha um papel importante no tratamento de feridas sendo que Continue lendo

A Classificação de Risco nos Serviços de Urgência e Emergência

A Classificação de Risco nos Serviços de Urgência e Emergência

11 minutos A classificação de risco é uma ferramenta utilizada nos serviços de urgência e emergência, que visa avaliar e identificar os pacientes que necessitam de atendimento prioritário, de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento. Ou seja, trata-se da priorização do atendimento, após uma complexa avaliação do paciente, realizada por um profissional devidamente capacitado, do ponto de vista técnico e científico. Antigamente, a entrada dos pacientes aos Serviços de Urgência e Emergência aconteciam por ordem Continue lendo

Avaliação da dor em pacientes críticos: é possível?

Avaliação da dor em pacientes críticos: é possível?

6 minutos Durante a nossa formação aprendemos que a dor é o quinto sinal vital e que deve ser mensurada junto ao pulso, frequência respiratória, temperatura e pressão arterial. Mas quantos de nós tivemos a oportunidade de conhecer como avaliar a dor em pacientes criticamente enfermos? Isso mesmo! Pacientes internados em unidades de terapia intensiva (UTI) não estão livres de viver experiências dolorosas. Entretanto, devido à gravidade de seus quadros clínicos, muitos profissionais acabam relegando a dor para segundo plano. O enfermeiro e sua Continue lendo

Síndrome de Burnout – mais próxima da enfermagem do que você imagina!

Síndrome de Burnout – mais próxima da enfermagem do que você imagina!

7 minutos Você já ouviu falar na Síndrome de Burnout? Você sabia que é uma Síndrome comum aos profissionais de enfermagem? Apesar da Síndrome de Burnout ser pouco conhecida, ela está mais próxima de nós do que você imagina! Está relacionada aos agentes patogênicos de Doenças profissionais, que compõe o anexo II da Previdência Social desde 1996, e atualizado em 2010. Mas afinal, o que é Burnout? É uma síndrome psicológica que se desenvolve devido a presença crônica de estresse relacionado ao trabalho. É composta de Continue lendo

Reanimação neonatal em sala de parto: assistência ao prematuro < 34 semanas

Reanimação neonatal em sala de parto: assistência ao prematuro < 34 semanas

20 minutos Você sabia que a Parada Cardiorrespiratória (PCR) em neonatos é predominantemente causada por asfixia? É por isso que a reanimação neonatal exige uma sequência de atendimento diferente do adulto.  Dados de 2013 indicam que no Brasil, nascem cerca de três milhões de crianças ao ano, e destas, 350.000 são prematuras, e sabe-se que a maioria delas precisam de ajuda para iniciar a transição cardiorrespiratória, necessária para a adaptação à vida extrauterina. Por tratar-se de um cuidado tão peculiar, faz-se necessário uma equipe de enfermagem e multidisciplinar Continue lendo

Exames de detecção do câncer de mama: do autoexame à mamografia

Exames de detecção do câncer de mama: do autoexame à mamografia

7 minutos A campanha outubro rosa acontece anualmente com o intuito de estimular a participação da população no controle do câncer de mama, compartilhando informações, promovendo a conscientização sobre a doença, proporcionando maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuindo para a redução da mortalidade. Cabe a nós, profissionais da enfermagem, realizarmos as orientações quanto a importância e incentivar a realização dos exames, fazer educação em saúde, estimulando assim a promoção do  autocuidado. Pensando na importância da educação em saúde preparei esse Continue lendo